Quem é a psicóloga Viviane Regino?

  • Psicóloga com especialização Junguiana IPUSP 2001
  • Formação em Psicossomática e Psicopatologia.CEEP em 1998
  • Em Psicoterapia e Psicodinâmica da Pré-Adolescencia e Adolescência. SEDES
  • Projeto Pec Hospital Einstein em 2004\2008
  • O Enquadre Psico-Legal em Casos de Vara de Família em 2004
  • Clínica Espaço Self em 2008\2010
  • Atualmente com atendimentos em todas áreas dentro das especializações com embasamento psicanalítico e visão Junguiana no meu consultório no Real Park.

Psicologia, Arte e um pouco da minha história profissional

Com descendência materna na criatividade da arte e da moda associada ao misticismo espanhol ,a busca teórica na solução das angustias filosóficas humanas tornaram-se uma herança cultural Lopes de Villa, de uma família espanhola e cheia de vida. .
De família paterna Barros, Ribeiro, Arantes e Godói de descendentes médicos e profissionais da saúde além de educação ,meu pai um respeitado professor e formador de opinião no ramo da industria, nos iniciou na vida correta, digna e repleta de alegrias.

Participou da primeira abertura da importação de maquinas operatrizes no Brasil
Uma grande coincidência, em seguida a história se repetiu com meu marido em 1990, com a abertura da importação de carros com a primeira marca BMW e muitas outras.

Tendo feito parte da década de 50 e passado pelas grandes mudanças dos anos 60 pertencencendo ao sexo feminino, construí minha identidade.
Minha trajetória tornou-se a expressão concreta da esposa Baby Boomers.

A mulher dos anos 50 que sofreu a influência com o fim dos anos de guerra.
O papel da mulher no inicio do século XX mostrou como ela utilizou a moda e as artes para se afirmar. dentro das relações sociais, onde de maneira imposta ocupou um papel passivo, mas sempre consciente da importância da sua individualidade.

A mulher dos anos 50 tornou-se mais feminina e glamorosa com a nova moda lançada por costureiros como Christian Dior acompanhada por acessórios glamoroso.

Nasci sobre o reflexo desta feminilidade associada ás tendências dos grandes costureiros, que transformavam a moda em verdadeiras obras de arte.

A busca pelas condições de habitações mais sofisticadas, o êxtase pelas artes em geral, o desenvolvimento das comunicações, a busca pelo novo, conforto e consumo são algumas características dessa época.
Nascida sob a influência dessa década com ênfase na adolescência da revolução sexual dos anos sessenta, já sentia as influências da libertação e emancipação feminina.

Um estudo mais profundo sobre a relação feminina com as guerras surgiu a partir das leituras das teorias Freudianas sobre a mulher onde Freud (1931) relata que existia nesta época três saídas básicas para a mulher se afirmar como ser social.

Através do Complexo de Masculinidade, Inibição da Sexualidade e Desenvolvimento Normal”.
Devido ao papel feminino até então ter sido legado a um papel secundário na sociedade machista patriarcal.
Aprendi desde os sete anos que a arte era pra mim a mais perfeita forma de expressar minhas emoções e ser reconhecida em minha identidade social, quando no primeiro ano primário ganhei um prêmio das mãos do Prefeito Prestes Maia, num concurso escolar.
Um marco numa fase estruturante em que se inicia a preparação pra vida e escolhas adultas.

A arte como forma de linguagem permitiu a oportunidade de falar através de imagens meus sentimentos mais profundos sobre minhas preocupações, como a falta de responsabilidade social já me preocupava.
Tomando Freud, quando dedica os seus estudos em indagar como uma mulher se forma e se desenvolve na sociedade, relata suas poucas formas de expressão da época e a sua criatividade utilizada na moda através da costura e dos trabalhos manuais e artesanais.

Este evento acompanhado com uma premiação com tanto peso, desencadeou minha trajetória inicial me acompanhando até os dias de hoje..
No segundo selênio aos quatorze anos, fase da independência maior na passagem da relação com o sexo oposto e suas descobertas, deu-se o início do primeiro relacionamento mais sério.

Em 1967 em plena ditadura militar nascia a faculdade de artes plásticas.
O movimento romântico e tropicalista, expressando através da musica e criações das mais variadas formas possíveis, suas ideologias e eu me formando e casando como era esperado no papel da mulher no século XX.
Os anos que seguiram foram dedicados aos cuidados e desenvolvimento familiares com o nascimento da primeira filha em 1978, o segundo em 1980 e a terceira em1992.
A produção artística e a paixão pela criatividade foi me acompanhando em 1978 com a formação em Licenciatura em Artes Plásticas pela Fundação Armando Álvares Penteado..
Em 1986 com foco no aperfeiçoamento e ampliação do campo artístico através da Fundacion Codorhuasi Buenos Aires, montei a “Cerâmica Y Arte ,meu primeiro ateliê de cerâmica onde criações tomavam um espaço concreto e tridimensional, evoluindo de um contexto anterior e bidimensional.

Objetos utilitários e decorativos exclusivos para Chevrolet entre outros especiais passaram a ser exportados por todo Brasil.
As novas atividades mais voltadas para o mercado automobilístico fizeram surgir o Núcleo de Arte BMW.
A comercialização da Arte na indústria utilitária com a demanda da produção industrial e a fase da vida pessoal entre 1990 e 1995, tornou-se um marco influenciado pela abertura da importação automobilista e a importação de utilitários minha especialidade..
As viagens e o início da globalização envolvendo o país, levaram minha vida pessoal e profissional a grandes mudanças e um despertar espiritual

Com a abertura da agencia do Banco Itaú na Av. Paulista 399, em 1989, a união da arte com a ciência fez nascer a exposição “Serie Mitológica e Processo de individuação¨.
Este momento tornou-se bastante marcante quando algumas obras passaram a ter uma outra função como a história de Camile Claudel e Rodan.
A Mitologia tornou-se um marco de passagem entre as Artes Plásticas e a Arte da Ciência. levando a novos estudos e a formação de Bacharel em Psicologia.

A arte e a ciência unindo-se levaram a primeira especialização em Arteterapia com participação na primeira exposição do Hospital das Clínicas nesta área.

Em 2000 a arte passou a ser utilizada também na área da psicologia.
Com a especialização em Arteterapia .pela Associação Brasileira de Arteterapia e AATA American Arttherapy Association.
Em seguida vieram muitas especializações como Formação e Habilitação no Tratamento das Dependências Químicas pelo Instituto Greenwood.1998